Vôos duplos de asa-delta da rampa da Pedra Bonita estão suspensos

RIO – A Associação Brasileira de Voo Livre (ABVL) decidiu suspender nesta quarta-feira os voos duplos de asa-delta e parapente da rampa da Pedra Bonita, em São Conrado.

RIO – A Associação Brasileira de Voo Livre (ABVL) decidiu suspender nesta quarta-feira os voos duplos de asa-delta e parapente da rampa da Pedra Bonita, em São Conrado. A medida foi tomada por causa da fiscalização da Agência Nacional de Aviação Civil (Anac), pedida pelo Ministério Público federal (MPF) com o objetivo de impedir voos panorâmicos comerciais fora de cursos ministrados por associações ou clubes de asa-delta.

– Nós mesmos tomamos a decisão. Queremos que, quando chegar a fiscalização da Anac, esteja tudo certo – afirmou o vice-presidente da Associação Brasileira de Voo Livre, Haroldo Castro Neves, ressaltando que a fiscalização foi intensificada a partir da morte do piloto Edvaldo Souza da Silva e de sua cliente Ana Rosa Lapa dos Santos, em 12 de dezembro de 2003.

Apenas voos duplos de instrução são permitidos

Segundo o piloto Valdir Ferraz, há sites na internet oferecendo voos comerciais.

– A intenção é acabar com isso – explicou.

O procurador da República Marcello Miller afirmou que o MPF foi provocado a investigar a segurança dos voos de asa-delta justamente a partir da morte de Edvaldo e Ana Rosa.

– O Ministério Público estadual, que investigou o crime de homicídio culposo no acidente de 2003, nos informou que o caso continha também a questão de segurança de voo, uma atribuição federal. Depois das duas mortes em 2003, houve denúncias de falta de segurança em outros acidentes, nos quais não houve mortes. Num deles, a pessoa que fazia um voo comercial viu a asa se rasgando a 20 metros de altura – afirmou o procurador.

No Rio, segundo ele, voos duplos comerciais são proibidos, sendo permitidos apenas voos duplos de instrução. A legislação permite a atividade apenas para fins de aprendizado.

O MPF também argumenta que o Regulamento Brasileiro de Homologação Aeronáutica identifica os ultraleves, nos quais se incluem as asas-deltas, como veículos experimentais, e tal condição torna impraticável o serviço de passageiros.

O MPF cobrou também da associação a instalação de placas na rampa da Pedra Bonita com aviso de que os voos comerciais são proibidos.

– Isso nós já fizemos – garantiu o vice-presidente da ABVL.

Deixe um comentário