Tibetanos carregam gene próprio para combater o mal das montanhas

Você já se perguntou como os tibetanos podem prosperar no telhado do mundo enquanto o resto de nós sofre de Mal de Altitude só de olhar para as montanhas dos Himalaia?

Os cientistas acham que têm a resposta.

Uma equipe de pesquisadores da China, Inglaterra, Irlanda e nos Estados Unidos identificou um local específico dentro do genoma humano que está associada a níveis baixos de hemoglobina, uma variante específica para os tibetanos.

A variante é chamada EPAS1, e explica por que os tibetanos podem viver quatro quilômetros acima do nível do mar, sem adoecer.

“Altitude afeta o seu pensamento, sua respiração e sua capacidade de dormir”, disse em um comunicado para a imprensa a co-autora Cynthia Beall, da Case Western Reserve University.

“Mas os nativos de alta altitude não tem esses problemas. Eles são capazes de viver uma vida saudável, e fazê-la completamente confortável”, disse ela.

A hemoglobina é o componente de transporte de oxigênio no sangue. Os seres humanos que não vivem em altitude automaticamente produzem mais hemoglobina, quando eles escalam, para que seus corpos possam transportar mais oxigênio em um mundo de baixo O2. Essa é uma razão pela qual os atletas treinam na altitude: Altos níveis de oxigênio no sangue aumentam o desempenho quando eles retornam para altitudes mais baixas.

Mas as pessoas que desenvolvem o Mal de Altitude Crônico sofrem por causa da quantidade de hemoglobina. Tibetanos, por outro lado, têm níveis de hemoglobina abaixo do normal, garantindo que eles sejam menos suscetíveis ao  mal do que outras populações.

A equipe estudou 200 amostras de sangue dos tibetanos e os comparou com amostras da planície da China. A diferença foi um gene no cromossoma 2, o mesmo gene responsável pela produção de glóbulos vermelhos e hemoglobina no sangue.

Apesar de todos os seres humanos terem o gene EPAS1, os tibetanos são o único grupo de pessoas conhecidas a ter a variação especial.

Os resultados, publicados na revista Proceedings of National Academy of Sciences, pode explicar porque algumas pessoas lidam melhor com menos oxigênio do que outros, levando a tratamentos mais direcionados para pessoas com câncer de pulmão ou doença cronica altitude.

“Muitos pacientes, jovens e idosos, são afetadas por baixos níveis de oxigênio no sangue – talvez por doença pulmonar ou problemas cardíacos”, disse o co-autor Hugh Montgomery, da University College London.

“Alguns lidam muito melhor do que outros.” Estudos como este são o começo para nos ajudar a entender o porquê, e para desenvolver novos tratamentos “, disse ele.

Deixe um comentário