Carvoaria ilegal que devastava Mata Atlântica é destruída na Baixada Fluminense

Vladimir Pla

Vladimir Platonow

Rio de Janeiro – Uma operação da Coordenadoria Integrada de Combate aos Crimes Ambientais (Cicca), que pertence à Secretaria Estadual do Ambiente (SEA), destruiu hoje (31) uma carvoaria clandestina que funcionava na fazenda Pedra Oca, no município de Seropédica, na Baixada Fluminense.

Os fiscais descobriram três fornos e apreenderam 500 quilos de carvão ilegal, produzido a partir da queima de mata nativa. A operação, chefiada pelo coordenador da Cicca, Rodrigo Sanglard, contou com o apoio do Batalhão Florestal.

“Nós localizamos três fornos cavados no barranco, um deles havia sido aberto ontem (30), pois o carvão já estava do lado de fora, ensacado, pronto para o comércio, e os outros dois fornos estavam em pleno funcionamento”, contou Sanglard.

Segundo ele, para alimentar a carvoaria clandestina foi desmatada uma área do tamanho de dois campos de futebol de Mata Atlântica. Os proprietários da fazenda onde funcionavam os fornos foram autuados e poderão responder por crime ambiental.

O coordenador da Cicca explicou que apenas o carvão produzido a partir de árvores plantadas, como o eucalipto, e que traz escrito nas embalagens o nome da carvoaria e a autorização do governo para a fabricação é legal.

Ele alertou que se o saco de carvão não contiver esses dados é porque foi feito de forma ilegal, a partir de árvores nativas, configurando crime ambiental.

Deixe um comentário