Acesso fechado à Pedra da Babilônia

Muito procurada por montanhistas, a Pedra da Babilônia, na Tijuca, está com suas principais entradas bloqueadas, contrariando um decreto do prefeito Eduardo Paes, que garante o livre acesso às montanhas da cidade. O principal caminho é pelo Colégio Militar, que, segundo escaladores, não permite o ingresso.

— Até entendemos que é uma área militar, mas as pessoas têm que compreender que não representamos uma ameaça à segurança de ningué, muito menos dos alunos. Só queremos ter acesso à montanha, fazendo cumprir o que determina o decreto da prefeitura do Rio — diz Kika Bradford, coordenadora do Programa de Livre Acesso às Montanhas, promovido pela Federação de Montanhismo do Rio de Janeiro (Femerj).

Em nota, a assessoria de imprensa do Comando Militar do Leste (CML), responsável pelo Colégio Militar, informa que quem quiser chegar à pedra deve entrar em contato com a administração da escola com antecedência, para que o pedido seja avaliado. Ainda de acordo com o CML, o acesso à montanha não pode ser feito de maneira indiscriminada, pois poria em risco a segurança dos alunos.

A Pedra da Babilônia é considerada importante para os montanhistas, pois, segundo a Femerj, tem uma via
de escalada e potencial para a criação de outras. Além disso, a montanha é um dos poucos locais de escalada curta — ideal para iniciantes — na Zona Norte da cidade.

Na Rua Dulce, um muro impede o acesso. A situação é semelhante na Praça Hilda, que fica logo no início da Rua Pareto. No local, o portão de ferro permanentemente trancado de um terreno baldio inviabiliza a chegada à pedra. Segundo montanhistas, o melhor ponto de subida da Pedra da Babilônia fica na Rua Almirante Cochrane, dentro do estacionamento de carga e descarga do supermercado Walmart. No local há grades e um portão de ferro, que só é aberto para a passagem de veículos.
— Nós vamos abrir uma frente de negociação com o pessoal do supermercado e com o colégio. Afinal de
contas, temos em mãos o decreto que nos favorece. Mas nós não queremos fazer cumprir a lei de maneira desagradável, com medidas judiciais ou policiais. Nossa negociação é pacífica, pois queremos estabelecer uma relação sadia com as pessoas que vão garantir o nosso acesso às montanhas. Tem sido assim em vários pontos de escalada da cidade após a assinatura do decreto — afirma Kika, referindo-se ao decreto municipal número 31.906, de fevereiro de 2010, no qual o prefeito Eduardo Paes cria o Programa Municipal de Incentivo ao Montanhismo.

Em nota, o Walmart informou que nunca foi procurado por montanhistas que queiram entrar nas dependências do estabelecimento para escalarem a Pedra da Babilônia. No entanto, o supermercado afirma que o acesso será aberto aos alpinistas sempre que solicitado, de acordo com o que determina o decreto municipal.

Fonte: O Globo

Um comentário em “Acesso fechado à Pedra da Babilônia”

Deixe um comentário